Como conduzir uma reunião de ministro - por Atos, Capítulo 15

Alguém sabe de uma reunião de ministro semelhante à de Atos 15?

Se você fizer isso, eu sinceramente gostaria de falar com você sobre isso. Gostaria de perguntar onde, quando e como aconteceu, e que bênçãos especiais resultaram disso.

A propósito, os únicos exemplos dados a nós na Bíblia para uma reunião de ministros são encontrados em Atos 2, Atos 15 e Atos 20. Dos três: Atos 15 nos dá os insights sobre como conduzir uma discussão séria de questões de confronto, e ainda ser capaz de permitir que o Espírito Santo os resolva.

Em Atos 15, as diferenças administrativas entre judeus e gentios eram tão grandes, que todas as diferenças entre aqueles que afirmam ser a igreja hoje parecem triviais.

O resultado final da reunião ministerial em Atos 15: Judeus cristãos observando mais de 600 inquilinos da lei, e gentios cristãos seguindo quase nada da lei mosaica, mas seguindo a Cristo: e todos eles permaneceram em comunhão! Surpreendente! Estamos dispostos a permitir que o Espírito Santo faça o mesmo hoje?

Então (1) como os apóstolos e discípulos chegaram a uma conclusão e arranjo tão estranho, e (2) qual foi a diferença que fez isso funcionar?

(1) Como os apóstolos e discípulos chegaram a uma conclusão e arranjo tão estranho?

Em Atos 15, a reunião de ministros começou sendo conduzida da maneira que costumam fazer hoje. Os ministros pesquisaram as escrituras em busca de ensinamentos que justificassem o que eles achavam que a posição “certa” deveria ser sobre o assunto. A realidade era que naquela época nada do Novo Testamento foi escrito ainda, então seu registro da Palavra de Deus foi baseado em:

  • O antigo Testamento
  • As memórias do que Jesus ensinou aos apóstolos e discípulos

Nenhuma dessas coisas é ensinada de maneira clara e literal para que os gentios não tenham que seguir a lei. Na verdade, exatamente o contrário: eles disseram que deveriam seguir a lei. Pois até mesmo Jesus ensinou:

“Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim destruir, mas cumprir. Pois em verdade vos digo que até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido. Portanto, qualquer que violar um destes mandamentos mínimos e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; mas aquele que os fizer e os ensinar, será chamado grande no reino dos céus. ” ~ Mateus 5: 17-19

Você diz "ele queria que a lei fosse cumprida em Cristo, então não precisamos disso". Você diz isso porque tem o benefício de todo o Novo Testamento. Eles não conseguiram, nem “entenderam” porque por muitos anos (cerca de 15) após o dia de Pentecostes, eles ainda praticavam a lei e acreditavam sinceramente que os gentios também deviam fazê-lo.

Jesus não tratou explicitamente do assunto. Ele ensinou um princípio que somente o Espírito Santo poderia iluminá-los posteriormente. Mas seria no momento certo e quando eles estivessem prontos e precisassem.

“Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora. Porém, quando ele, o Espírito da verdade, vier, ele os guiará em toda a verdade; porque ele não falará de si mesmo; mas tudo o que ele ouvir, isso falará; e ele vos mostrará as coisas que estão por vir. ” ~ João 16: 12-13

Não foi porque eles não foram santificados e cheios do Espírito Santo, porque eles foram cheios do Espírito Santo por aproximadamente 15 anos durante o tempo do maior avivamento de todos os tempos! Eles foram cheios com a unção do Espírito Santo, mas eles ainda não entenderam, ainda.

Então, como o Espírito Santo os iluminou sobre esse princípio e como isso foi apresentado a eles na reunião de ministros de Atos 15?

Depois de muito discutir sobre a vontade de Deus e as escrituras, Pedro finalmente se levantou e disse essencialmente: “deixe-me dizer o que o Espírito Santo fez na vida das pessoas que não seguem a lei mosaica”.

Em primeiro lugar, todos os apóstolos e discípulos ouviram atentamente, porque todos se preocuparam muito em obedecer ao Espírito Santo e em aprender dele permitindo que trabalhasse como bem entendesse.

Ficamos com medo de perguntar o que o Espírito Santo está fazendo por causa de tantos espíritos falsos “pentecostais” que enganaram as pessoas hoje?

Nós nos importamos tanto com o que o Espírito Santo está fazendo na vida das pessoas hoje? Em caso afirmativo, alguma vez perguntamos como o Espírito Santo está atuando na vida das pessoas quando surge uma discussão sobre “o que é permitido ou não deveria ser permitido” em uma reunião? Ou acreditamos que o Espírito Santo esteve ausente de trabalhar na vida dos santos por tanto tempo que só podemos confiar em nosso próprio entendimento pessoal das escrituras? Acho que o Espírito Santo está trabalhando em muitos santos diferentes em todo o mundo, mas muitas vezes não estamos dispostos a prestar atenção quando é diferente de nossa expectativa!

O Espírito Santo já expressou sua opinião muitas vezes e sobre muitos assuntos ao longo da história: por meio de sua obra sagrada nas pessoas. Alguém se importa em ouvir e aprender?

Alguém conhece um ministro que tenha falado como Pedro em uma reunião de ministros? Um ministro que testificou como o Espírito Santo usou pessoas que vivem livres do pecado, mas ainda assim entendiam um ensino ou mantinham um padrão diferente do resto de nós. Em caso afirmativo, o restante dos ministros ouviu atentamente para aprender mais sobre o que o Espírito Santo estava fazendo, como fizeram em Atos 15? Por favor, deixe-me saber, se você souber de alguma reunião desse tipo! Eu realmente quero saber!

O interessante é que o Espírito Santo estava agindo tanto por meio daqueles que seguiam a lei mosaica quanto por meio daqueles que não a obedeciam. Não é tão estranho? Ou é? Não é sobre isso que o apóstolo Paulo estava falando quando escreveu em 1 Coríntios 12: 4-7

“Agora há diversidade de dons, mas o mesmo Espírito. E há diferenças de administrações, mas o mesmo Senhor. E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. Mas a manifestação do Espírito é dada a cada homem para o benefício de cada um. ” ~ 1 Cor 12: 4-7

Favorecemos um ministro com mais dons do que outro, ou que tem um dom com o qual estamos mais acostumados? Ou devemos tratar todos os verdadeiros ministros com o mesmo respeito?

Permitimos diferenças na administração do evangelho entre as diferentes congregações locais?

Podemos operar (como os judeus e os gentios) drasticamente diferente e ainda estar em comunhão?

Ainda poderíamos ter comunhão com outro ministro se seu entendimento da doutrina não fosse tão claro quanto acreditamos que o nosso, embora eles estejam fazendo o possível para viver obedientes e santos? Ou nós os eliminamos porque adotamos uma nova identidade: "a comunhão de compreensão perfeita?"

Há uma música antiga que é assim:

“Nós estendemos nossas mãos em comunhão com cada um que foi lavado no sangue. Enquanto o amor se enreda em cada coração no qual a vontade de Deus é feita! ”

Isso levanta algumas questões desconcertantes para nós hoje:

  • Ser lavado com sangue e usado pelo Espírito Santo para a vontade de Deus ainda é bom o suficiente?
  • A obra do Espírito Santo é totalmente irrelevante se for por meio de pessoas que não pensam e não agem como nós?
  • Tornamo-nos mais sábios do que o Espírito Santo?

(2) Qual foi a diferença que o fez funcionar?

Mas foi preciso mais do que a declaração de Pedro sobre o que o Espírito Santo fez para trazer os judeus e gentios à comunhão cristã. Foi necessário que o pastor dos judeus, cujo rebanho potencialmente sofreria mais perseguição por isso, se levantasse publicamente pela vontade do Espírito Santo! É por isso que James teve que se levantar e falar com ousadia!

“E depois que eles se calaram, Tiago respondeu, dizendo: Homens e irmãos, ouvi-me: Simeão declarou como Deus a princípio visitou os gentios, para tirar deles um povo ao seu nome. E com isso concordam as palavras dos profetas; como está escrito: Depois disto voltarei e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído; e edificarei novamente as suas ruínas, e irei erguê-la: Para que o restante dos homens busque o Senhor e todos os gentios, sobre os quais meu nome é chamado, diz o Senhor, que faz todas essas coisas. Conhecidas por Deus são todas as suas obras desde o início do mundo. Portanto, minha sentença é que não incomodemos os que dentre os gentios se voltaram para Deus: Mas que lhes escrevamos que se abstenham da contaminação dos ídolos, da fornicação, do que é estrangulado e do sangue. ” ~ Atos 15: 13-20

James fez três coisas:

1. Ao ouvir o relato de Pedro sobre a obra do Espírito Santo com os gentios, Tiago interpretou o princípio ensinado na profecia para concordar com as ações do Espírito Santo na vida das pessoas. Ele teve que abandonar seu próprio entendimento para fazer isso!

2. O que ele exigia dos gentios realmente não tinha nada a ver com a lei mosaica, mas sim com separar claramente os gentios de participarem de qualquer forma de adoração pagã. Seu encargo era "sair do meio deles e separar-se". Não "você deve ser como o grupo judeu". (Às vezes, misturamos essas duas declarações hoje. A segunda declaração não é bíblica porque todos devemos ser como o Espírito de Cristo, não como qualquer grupo).

3. Tiago foi um ministro do amor sacrificial! Como um líder importante dos judeus cristãos, ele se identificou pessoalmente com essa decisão para que seu rebanho entendesse claramente a direção que Deus queria. James não agia como um político local. A perseguição já era ruim o suficiente, pois os judeus acreditavam em Cristo como o Messias prometido. Mas permitir que as pessoas alegassem ser filhos de Deus sem a lei era uma blasfêmia séria para o resto dos judeus incrédulos! James estava arriscando a segurança de todos os crentes judeus! Embora tivesse em mente a segurança do rebanho local, ele valorizava a vontade de Deus acima da sua segurança e do rebanho pelo qual era responsável. Ele estava disposto a sacrificar sua própria segurança pelo bem maior de todo o corpo e glorificar o propósito de Cristo: “Santo Padre, guarda pelo teu próprio nome aqueles que me deste, para que sejam um, como nós. . ” (João 17:11)

Nota: Tiago e muitos dos cristãos judeus ainda seguiam diligentemente os princípios da Lei mosaica, como fizeram todos os apóstolos quando estavam em Jerusalém. E a Bíblia até nos mostra que o apóstolo Paulo também seguiu cuidadosamente a lei mosaica quando visitou Jerusalém. Mas eles ainda não exigiam a Lei mosaica dos gentios e permaneceram em comunhão com os gentios.

“Ó profundidade das riquezas da sabedoria e do conhecimento de Deus! quão insondáveis são seus julgamentos e seus caminhos inescrutáveis! Pois quem conheceu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? " ~ Romanos 11: 33-34

E assim concluo com a minha pergunta original, porque quero muito saber!

Alguém sabe de uma reunião de ministro semelhante à de Atos 15?

Na Bíblia, a reunião de oração em Atos 2, onde eles estavam todos em um acordo e em um lugar, veio antes da reunião de Atos 15. Mas acho que devemos ter outra reunião de Atos 15 antes de podermos ter um avivamento que resulta de uma reunião de Atos 2, porque muitos de nós ainda não estamos todos em acordo.

Você deseja uma reunião de ministro de Atos 15?

É hora de "derrubar as paredes novamente!" As únicas paredes legítimas são as paredes da salvação, e somente o sangue de Cristo pode produzir essa parede. Eu acredito que é hora de cada santo orar fervorosamente em todos os lugares para que todas as paredes entre o verdadeiro povo de Deus caiam! Se o desejarmos sinceramente, nenhum homem poderá impedir a vontade de Deus!

O silêncio espiritual nunca será quebrado pelo grande reavivamento de Apocalipse 8, a menos que primeiro todos nos reunamos em um acordo, em um altar de sacrifício. Como isso vai acontecer se nunca seguirmos o padrão ensinado em Atos 15? Voltemos a toda a Bíblia, incluindo aquela que é particularmente para o ministério seguir e obedecer. A unidade é a parte difícil da qual muitos simplesmente desistiram.

Quanto mais liberdade a maldade consegue ter antes de “acordarmos” para nossa responsabilidade de conduzir as pessoas à maturidade espiritual necessária para permanecer na comunhão?

“E eu, irmãos, não poderia falar-vos como a espiritual, mas como a carnal, sim, como a bebês em Cristo. Com leite vos tenho alimentado, e não com carne; porque até agora não pudestes suportar, nem agora podeis. Porque ainda sois carnais; embora haja entre vós inveja, contendas e divisões, não sois carnais e andais como homens? ” ~ 1 Coríntios 3: 1-3

Um povo dividido não sobreviverá ao que está por vir! Ou aprendemos a seguir o Espírito Santo até o fim, ou nos desintegramos e deixamos de existir. Deus quer um povo santo e unificado pelo qual ele possa ser glorificado para trazer seu avivamento final!

Vamos continuar a fazer parte do problema? Ou somos humildes e estamos suficientemente dispostos a ser parte da resposta à fervorosa oração de Jesus: “para que sejam um, como nós”? Que o Espírito Santo faça o seu caminho com todos nós!

Deixe um comentário

pt_BRPortuguês do Brasil